segunda-feira, 25 de julho de 2016

        A Grande Importância do Recolhimento dos Dízimos





Eu, Waldecy Antonio Simões, internauta ativo na propagação da Palavra de Deus, pertenço a uma das 398 congregações pelo mundo que santificam o sábado como o Dia do Senhor, portanto somos os remanescentes que não aceitaram a subserviência ao papado romano de tantos erros. Siga o Link:

http://gospel-semeadores-da.forumeiros.com/t12521-todas-as-igrejas-que-guardam-o-sabado. 

“Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo”. Romanos 9:27

Por esses meus dias, tenho ouvido muitos testemunhos de pessoas que melhoraram substancialmente as suas finanças quando passaram a recolher os dízimos. Ou seja: 10% de TODOS os seus rendimentos líquidos. Mas não conheci nenhum dizimista que se enriqueceu além do ter e manter o suficiente enquanto são fiéis ao preceito do  Dízimo, pois se o praticar do preceito Dízimo enriquecesse, Deus seria um incoerente quando nos revela, nas Escrituras, que a riqueza é o maior mal do mundo:

 "Porque a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro".   Timóteo,   6.9. 

   
É quase impossível a um rico se salvar". Jesus Cristo em Marcos 10:25

Mas a Vitória pode não ser imediata, pois pode ser que o Senhor esteja  testando a  persistência do novo dizimista ou não nos recolhimentos. Por experiência própria eu tive de aguardar alguns meses até que a vitória do suficiente se consolidasse.

Por que apenas se deve desejar o suficiente? Ora, por toda a Bíblia Está Escrito que o enriquecimento é o maior de grandes proporções, pois o dinheiro que enriquece leva  à corrupção da alma.

Sobretudo, é o próprio Satanás quem enriquece as pessoas. Não sou eu quem inventou isso, pois é Verdade Bíblica:

“E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero”. Lucas 4:6

 “É quase impossível a um rico se salvar”.  Jesus, em Lucas, 10.24.

Riqueza, Poder e Glória, segundo as Escrituras
  http://riquezapoderegloriasegundoabiblia.blogspot.com.br/

 “Tendo sustento e com o que nos vestir, estamos contentes”. A Segunda carta de Paulo a Timóteo, 6.8, revelando que o cristão tem de se contentar com o suficiente.

 “Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã trará os seus próprios cuidados...”.  Mateus, 6.34.

“Mas ai de vós ricos, pois já tendes a vossa consolação”. Jesus, em Lucas, 6.24 a 36.

Que consolação têm os ricos? Um grande e monumental exemplo Jesus nos deixou ao ensinar, pessoalmente, o Caminho para o Reino de Deus a um jovem extremamente rico.   Mas mesmo estando o próprio Filho de Deus lhe revelando como se salvar na Eternidade, assim como quase todos os ricos ele preferiu viver (mesmo em tempo curtíssimo) o poder, o  prestígio, o alto conforto, a doce vida que o dinheiro proporciona, e assim preferiu viver nessa CONSOLAÇÃO mundana, e certamente estará condenado no Grande Dia da Ressurreição Final, pois em seguida Jesus revela aos seus apóstolos que é QUASE IMPOSSÍVEL A UM RICO SE SALVAR.




“Queres, de fato, me seguir? Vai, vende tudo o que tens e distribua-os aos pobres, e só então poderás seguir-me e terás um lugar reservado no Céu”.  Jesus, em Marcos, 10.21


VEJAMOS QUANTAS ADVERTÊNCIAS DA PALAVRA DE DEUS AOS RICOS  DA ESTRADA FESTIVA DE SATANÁS, POIS NÃO REPARTEM SUAS FORTUNAS COM OS NECESSITADOS:


"Atendei, agora, ricos, chorai lamentando por causa das desgraças que vos sobrevirão O vosso ouro e a vossa prata estão enferrujados e a sua ferrugem testemunhará contra vós e devorará as vossas carnes".   Tiago, 5.1 a 3.

“Ai de vos, que ajuntais casa a casa, que acrescentais  campo a campo, até que não haja mais lugar, e que sejais os únicos proprietários da terra”. Advertência  do  Senhor,  em  Isaías,   5.8.

 
“E Jesus disse então ao povo:  “Guardai-vos escrupulosamente  de toda avareza,  porque a vida de um homem (ou mulher), ainda que esteja em abundância,  não depende de suas riquezas”.   Advertência  de  Jesus,  em  Lucas,   12.15

“De fato, o homem  passa como uma sombra,  é em vão que ele se agita,  amontoando sem saber quem o recolherá”.   
Sentenças  do Senhor  Deus, nos Salmos,  38.7  grego   e  39 hebreu.

“Porque nada trouxemos ao mundo, como tampouco  nada  poderemos levar”.  Revelações do Senhor Deus, em   I Timóteo,   6.7.

 “Nada há mais iníquo do que o amor ao dinheiro
 A  duração  de  todo  poder  é  breve”. Preceitos do  Eclesiástico, em  10.10.

“Não te inquietes à procura de riquezas injustas, de nada te servirão no dia do castigo e da escuridão”.     Preceitos do Eclesiástico, em  5.10.

 “... E direi  à minha alma:  Ó minha alma,  tens muitos bens em depósito para muitíssimos anos;  descansa,  come,  bebe,  regala-te.    Porém, Deus lhe disse:   “Insensato!   Ainda  esta  noite   (os demônios)  exigirão de ti a tua alma.  E as coisas  que ajuntaste,  de quem serão?“.     Justiça de Jesus,  em  Lucas,    12.19.

 “Quando os homens (ímpios) disserem:  “Paz  e  segurança“, então, repentinamente, lhes sobreviverá a destruição,  e  não  escaparão”. Sentença  do  Senhor,  na  I Carta aos Tessalonicenses,   5.3.

 “Ai de vós, maquinadores da iniquidade, que tramais o mal em vossos leitos, e o executais ao amanhecer do dia.   Porque tendes o poder nas mãos,  cobiçais as  terras e vos apoderais delas, cobiçais as casas e as roubais;   fazeis  a  violência  ao  homem  e  à  sua  família”.  
Grave  advertência do  Senhor,   em  Miquéias   2.1. 

 “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e todas as outras coisas vos serão dadas por acréscimo”.Comprometimento do Senhor, em  Mateus, 6.33.

  “Vou vomitar-te,  pois dizes:  Sou rico, faço bons negócios,  de  nada  necessito,  e não sabes que és infeliz, miserável, pobre, cego e nu...”.  Palavras do Senhor,  em  Apocalipse,   3.1

 “Ai de vós que estais fartos, porque vireis a ter fome”.   (fome mortal,  no inferno).   Sentença  de  Jesus,  em  Lucas,   6.25.

“Agora  dizeis:  “Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, ficaremos ali  um ano,  comerciaremos e tiraremos os nossos lucro”,   entretanto, não sabeis nem o que vos acontecerá amanhã!    Pois o que é a vossa vida?    Sois um  vapor  que aparece  por um instante e depois se desvanece”.  Advertência do Senhor Deus,  em  Tiago,   1.7.

 “Meus servos comerão, e vós tereis fome,
Meus servos beberão, e vós tereis sede,
Meus servos rejubilar-se-ão e vós ficareis envergonhados   (mortalmente)
Meus servos cantarão na alegria de seu coração,
E  vós  rugireis com a alma em desespero.
Vosso nome ficará gravado como um termo de maldição entre meus eleitos, 
Enquanto meus servos receberão um novo nome”.
Oráculo do  Senhor Deus a  Isaías,    65.13.

  “De que servirá a um homem (ou mulher)  ganhar todo o mundo,  se vier a perder a sua vida  (a sua vida eterna, a sua alma)?”.   A verdade de  Jesus Cristo,  o Verbo,  em   Marcos,   8.36.

 “... onde está o teu tesouro está, também, o teu coração”.   Advertência de Jesus,  em Mateus,  6.19.

 “Se os prejudicardes (aos pobres), eles clamarão por mim e eu os ouvirei,  e  minha cólera se inflamará...”.       A ira do Senhor,  no Livro do Êxodo,   22.22.

  “Não se pode servir a Deus e à riqueza”.   Advertência  de  Jesus,  em  Mateus,   6.24.

A busca da prosperidade material (a suficiente, sem desejos de enriquecimento) é preceito santo ao recolher o Dízimo por duas razões:

     1)    O Senhor Deus induziu a prová-lo, realmente, a respeito de sua promessa de prosperidade quando recolhemos o Dízimo sem engano ou mentira.  Malaquias 3:10.

    2)    A prosperidade material é coisa santa quando conseguimos o suficiente, apenas o suficiente para uma vida digna, como ter uma casa própria, bons móveis e boas vestimentas sem exageros, um bom carro, quanto ao pagamento de escolas e da saúde para os filhos e proventos também para o lazer, pois ninguém é de ferro, mas quanto aos que desejam prosperar até se enriqueceram fartamente, tendo mais do que necessitam,  e acumulando cada vez mais com medo do futuro, entram nos desvios a caminho de Satanás, trilhando a Estrada Festiva contra a Estrada Estreita de Jesus (tome a tu cruz e me siga), cheia de obstáculos, mas a Única que conduz à salvação na Eternidade, pois o próprio Filho de Deus decretou que É QUASE IMPOSSÍVEL A UM RICO SE SALVAR. Para detalhes, ver o meu blog a respeito:



“E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entreguee dou-o a quem quero. Portanto, se tu me adorares, tudo será teu”.   Lucas 4:5-7

Portanto, é a Palavra de Deus Escrita que revela que a riqueza é prêmio de Satanás para que o homem se corrompa e ele ganhe a concorrência contra Deus na busca de seus futuros hóspedes.


No Sermão do Monte, Jesus nos revela que devemos somar, no Reino de Deus, os tesouros maiores, os merecimentos espirituais, onde as traças não corroem, as guerras e nada no mundo as destroem, ao contrário dos bens materiais, que não são permanentes, que como temos visto, muitos ricos se tronaram pobres por causa de guerras, de tiranias, de má gestão, de crises graves, etc. Ao contrário das bênçãos criadas no Reino de Deus que nada podem apagar.

Para exemplificar a fragilidade também da riqueza, aqui no Brasil há um homem que com 30 milhões de dólares se tornou, provisoriamente, o sétimo homem mais rico do mundo, mas anunciam as mídias que hoje, início de  2016, não tem mais que meio bilhão de dólares e ainda foi encarcerado pelas mazelas que aprontou.

Hoje temos o Mega Negócio do Evangelho, dos falsos pastores, donos únicos de suas “congregações” criadas unicamente para arrecadar, usando e zombando do Senhor Deus ao se apropriarem, em proveito próprio, dos valores dos dízimos doados e até muito mais além dos 10% preteridos.

Mas acontece, segundo meu blog abaixo colocado, que eles se enriqueceram muito mais pela CUMPLICIDADE daqueles que só os buscam e frequentam as suas “congregações” no intuito maior de também SE TORNAREM RICOS. E isso nada tem a ver com o Senhor Deus, mas sim com Satanás, pois Está Escrito que é Satanás quem comanda as riquezas da terra, e as doa a quem ele quiser, como está colocado acima. Ver detalhes em meu blog:




Jesus legitimou, claramente, o dízimo, também no Evangelho:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: A justiça, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, mas sem omitir aquelas”.  Mateus, 23.23.

“...deveis, porém, fazer estas coisas...”.  Observar a justiça, a misericórdia e a fé.

“sem omitir aquelas...”, é continuar recolhendo os dízimos.

Contra a fala de uma parte de pastores evangélicos, o dízimo não representa preceito obrigatório para a salvação, mas como é uma posição de santidade, quem se presta a recolher, não pode enganar a Deus, não recolhendo os 10% de todas as entradas de dinheiro. Um exemplo: Eu mesmo recolho 10% referente a dízimos de meu salário líquido, sem contar os descontos da folha de pagamento tais como PIS, INSS e de outros impostos, pois não recebi esse dinheiro, que uma parte de pastores fariseus, ávidos pelo dízimo, afirmam que o dízimo atinge toda a parte bruta do salário.

Mas voltando ao meu exemplo, se houver outras entradas de dinheiro, tais como heranças, ganhos de causas na justiça, doações, etc, o dízimo de tudo isso deverá ser recolhido.  Quanto a isso, vamos prestar atenção em Malaquias, meditar e raciocinar:


“Roubará o homem a Deus? Todavia, vós me roubais e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas.  Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, vós, a nação toda.  Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.  Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.  Todas as nações vos chamarão felizes, porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos”.  Malaquias, 3.9 a 12.

A bronca do Senhor Deus, ao nomear como ladrões aqueles que não recolhem os dízimos como deveriam, não está destinada aos que não recolhem os dízimosmas aos que recolhem, mas enganam nos valores recolhidos e em outras entradas de dinheiro, assim como  Ananias e Safira, em Atos, capítulo 5, que tentaram enganar o apóstolo Pedro na quantia que receberam.  A esses, sim, o Senhor os acusa no verso acima. Ladrão é aquele que se presta a recolher os dízimos, mas esconde uma parte.

Porque eu devo contribuir com o dízimo:

  Porque o Dízimo é santo,  Levítico, 27.30 a 32.

Porque quero ser participante das grandes bênçãos, cessando minhas dificuldades financeiras, segundo a Promessa do Senhor em Malaquias 3:10.

  Porque amo a Obra de Deus na face da Terra, mais que ao dinheiro.

  Porque o Senhor revelou: “Fazei prova de mim” e ele cumpre as promessas Malaquias, 3.9 

  Porque eu mesmo vou desfrutá-lo na casa do Senhor. Deuteronômio, 14.23.

  Mais bem-aventurado é dar, do que receber. Atos, 20.35.

  Porque Deus ama quem doa com alegria. II Cor. 9:7);

  Porque tudo vem das mãos do Senhor Deus.  I Crônicas, 29.14.

  Porque eu não sou avarento. I Timóteo, 6.10.

  Porque enriqueço meu tesouro nos céus. Mateus, 6.19 a 21.

  Porque tudo que eu peço, recebo do Senhor. Mateus, 7.7 a 9.

  Porque eu obedeço ao Senhor Deus. Atos, 5.29.

  Porque a bênção do Senhor Deus enriquece. Atos, 3.6.

  Porque o Senhor Deus promete recompensa. Salmos, 19.7 a 11.

  Porque receberei de Deus a mesma medida. Lucas, 6.38.

  Porque contribuindo, a minha descendência não vai mendigar o pão. Salmos, 37.25.

  Porque o meu salário renderá mais.  Ageu 1.6.

  Porque é minha responsabilidade ajudar a sustentar a Igreja. Malaquias, 3.10.

  Porque eu quero ter a minha consciência tranquila. I Timóteo, 1.19 – 3.9.

  Porque tudo que o homem semear, isso também ceifará.  Gálatas, 6.7.

  Porque o senhor Deus suprirá toda as minhas necessidades básicas. Filipenses, 4.19.

Porque esse preceito está bem claro, também em Hebreus, 7.5.

 “Porque os cristãos da Igreja Primitiva não só pagavam 10%, mas em Nome da Volta de Jesus dividiam tudo o que tinham entre os mais necessitados”:  O maior exemplo disso se registra no capítulo 5 de Atos, por inteiro.

Quanto à divisão pelos cristãos de tudo o que tinham, a favor dos mais necessitados,  sabe-se que depois que Jesus elevou-se ao céu deixou a mensagem: “Voltarei a vós antes que passe esta geração”.  Isso foi o motivo maior que levou os cristãos emergentes a praticarem a caridade de doação em alto grau como nunca havia havido e como jamais se repetirá até a consumação dos séculos. Imaginando um fim do mundo bem próximo, frequentemente, conforme a Bíblia, tomados pelo temor, os cristãos vendiam suas propriedades, se reuniam com os apóstolos e repartiam com quem tinha menos tudo o que tinham a mais.  Conforme Atos dos Apóstolos está claramente revelado que eram frequentes as reuniões nas quais partiam o pão e dividiam tudo o que tinham, inclusive a alimentação:

Perseveraram na doutrina dos apóstolos, nas reuniões comuns, na fração do pão e nas orações. Toda gente estava com temor. Atos dos Apóstolos 2:42.  (os defensores do domingo usam erradamente esse verso onde diz: Partir o Pão alegando que eram reuniões aos domingos para o santificar. Errado, Nada a ver, pois essas reuniões de Partir o Pão eram realizadas no sentido da caridade de doação.  Se Paulo referiu-se ao pão, não citou o Vinho. Sem vinho não era uma representação do grande Sacrifício de Jesus. Detalhes em meu blog:

http://partiropaonoprimeirodiadasemana.blogspot.com.br/   Se não abrir, copie o http e cole no navegador

Vejamos exemplo maior nas Escrituras de que partir o pão na Igreja Primitiva NÃO significava a distribuição do pão como a atual missa ou a Eucaristia católica:

 “TODOS OS DIAS, frequentavam em perfeita harmonia e, partindo o pão pelas casas, tomavam a comida com alegria,  e sendo bem vistos pelo povo.  Atos dos Apóstolos, 2.42

 “No primeiro dia da semana, cada um de vos ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando para que não se faça coleta quando eu tiver chegado. Enviarei, por carta, para que sejam levadas as vossas dádivas à Jerusalém, aos que necessitam”.   1 Carta aos Coríntios, 16.1 a 3.

O apóstolo Paulo. um dos poucos cristãos perfeitos, tinha por tendência natural após a sua conversão de zelar pela Palavra de Deus nos mínimos detalhes e, por isso mesmo era rígido com as leis de Deus, por isso mesmo não permitiria esforço algum aos sábados, senão vejamos até os exemplos dos anjos a respeito:

Os domingueiros valem-se, também desse verso para tentar legitimar o sal domingo que não existe na Bíblia inteira como o Dia do Senhor, mas por isso mesmo Paulo não pediu que a coleta se desse num sábado, pois como os cristãos da época dividiam tudo, certamente havia objetos pesados como cadeiras, mesas ou escrivaninhas, e no sábado não é aconselhável fazer esforço físico.

Quanto a isso, Jesus jamais poderia ter ressuscitado num sábado. Veja biblicamente porquê:

"O qual comprara um lençol fino, e, tirando-o da cruz, o envolveu nele, e o depositou num sepulcro lavrado numa rocha; e revolveu uma pedra para a porta do sepulcro.  E Maria Madalena e Maria, mãe de José, observavam onde o punham  E, olhando, viram que já a pedra estava revolvida; e era ela muito grande. Marcos 16:4

Aguns podem até zombar do meu cuidado bíblico julgando que não haveria problema algum os anjos removerem a pesada pedra num dia de sábado, nem mesmo ter removido a grossa camada de barro que vedava o túmulo de Jesus, mas O SENHOR DEUS COMO É PERFEITÍSSIMO E ALTAMENTE COERENTE, também para nos servir de exemplo, jamais permitiria que seus anjos removessem a Grande e Pesada rocha num dia de sábado, por isso mesmo Jesus ressuscitou num outro dia, no caso uma segunda-feira, nomeado como domingo.
Jesus Cristo recomendou que também eu seja dizimista:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: A justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas (dar o dízimo de tudo)”.  Mateus, 23.23.

Abaixo mais alguns de meus blogs que dizem do enriquecimento espiritual, nessa nossa vida lapso fugaz, um vapor que logo se dissolve,  um pingo d’água nos Oceanos da Eternidade de Deus Pai.

Waldecy Antonio Simões  walasi@uol.com.br  netsimoesnetsimoes@gmail.com


Meus blogs:















http://ainfalibilidadedospapasewabsurda.blogspot.com.br/



























                                                          


























































 Waldecy Antonio Simões. walasi@uol.com.br

Todos os meus textos são livres para publicações, desde que os textos não sejam alterados

Eu sou a voz que clama na Internet.

 “Então, no Reino do Pai, os justos resplandecerão como o Sol”.  Promessa de Jesus, em Mateus, 13.43